sexta-feira, 27 de março de 2015

Dez razões para aderir ao bicicletaço

Flavio Moura – 20 horas atrás

1)      A promotora obscurantista queconseguiu paralisar as obras das ciclovias em São Paulo não cometeu um atentado contra os ciclistas. Ela cometeu um ato contra uma ideia de cidade.
2)      A ideia de cidade por trás da ciclovia é uma ideia de inclusão: ela pressupõe a apropriação do espaço público – a rua – pelo cidadão. Sua raiz é profundamente democrática.
3)      A manifestação de hoje não é uma manifestação de cicloativistas. Você não precisa usar roupas de lycra, tênis que engancha no pedal ou luzinha no capacete para aderir. Você não precisa nem gostar de bicicleta. Basta tomar posição sobre uma questão simples: a cidade precisa de mais ou menos espaço para os carros?
4)      A manifestação de hoje não é partidária. Você pode ter reservas com o PT. Pode não gostar do prefeito Haddad. Mas pode também querer uma cidade menos poluída, barulhenta, perigosa, árida, hostil. A ciclovia é uma reação a tudo isso.
5)      São Paulo é cheia de ladeiras, a ciclovia nunca vai pegar? Dê uma olhada nas condições climáticas médias de cidades repletas de bicicletas, como Londres, Nova York, Chicago, Hamburgo, Amsterdã. Chove metade do ano. Neva boa parte do ano. Fica escuro a maior parte do tempo. As ladeiras não são nada perto dessas condições (e as bicicletas elétricas estão mais baratas).
6)      As ciclovias estão vazias? Veja nessas mesmas cidades o que veio antes, o ciclista ou o sistema cicloviário. Em Nova York, foram dez anos entre as ciclovias e os ciclistas. A rede em São Paulo ainda não está pronta. É mais do que compreensível que muita gente ainda tenha medo. Também nunca vi ninguém reclamar de uma calçada vazia. Muito menos de uma rua vazia. Além do quê, a julgar pela adesão ao evento de hoje, não é possível dizer que haja escassez de ciclistas na cidade.
7)       A manifestação não se restringe a São Paulo. Deve acontecer em várias cidades do Brasil e em muitas do exterior. O que está em jogo não diz respeito apenas aos moradores de São Paulo. Diz respeito a um modelo que muita gente quer importar.
8)      Isso não é papo de classe média descoladinha. O bicicletário mais cheio da cidade é o Jardim Helena-Vila Mara, no extremo leste da cidade. A média diária de bikes guardadas em estações da zona leste beira 300. Na Vila Madalena, a média é de 4,7.
9)      A bicicleta é educativa para o motorista. Quanto mais bikes nas ruas, mais será necessário reduzir a velocidade dos carros, reduzindo riscos para todos. A bike é o “outro”: tem efeito civilizador.
10)  O evento será na Avenida Paulista. Ali está em construção a ciclovia que deve ser a mais visível da cidade. E falta pouco: já foram 262 km dos 400 km prometidos. Vai ser bonito todo mundo junto pela causa. E no fim ainda dá pra tomar um coco ali na banca da rua Minas Gerais.
https://br.noticias.yahoo.com/blogs/flavio-moura/dez-razoes-para-aderir-ao-bicicletaco-025750469.html
Flávio Moura, 36, é jornalista e doutor em sociologia pela USP. Foi diretor de programação da Festa Literária Internacional de Paraty (2008-2010), editor da revista Novos Estudos Cebrap (2004-2009), professor na Facamp (2003-2009) e coordenador de conteúdo on-line no Instituto Moreira Salles (2010-2012). Integrou as editorias de cultura do Jornal da Tarde, Valor Econômico e Veja. Entre 2005 e 2007, colaborou na equipe de editorialistas da Folha de S. Paulo. Desde 2012, é editor na Companhia das Letras. As opiniões emitidas neste espaço são de sua exclusiva responsabilidade

Copa Promosom de Ciclismo será dia 03 de maio




            A maior competição de ciclismo olímpico de Minas Gerais está confirmada para o dia 03 de maio, em Varginha.
            Nesta segunda-feira, 23, os vereadores aprovaram por unanimidade o Projeto de Lei da Prefeitura que garante apoio à realização da Copa Promosom de Ciclismo 2015. O idealizador e promotor da competição esportiva, Paulo Veloso, explica a importância da parceria com o Poder Público: “a Copa Promosom transformou-se em um evento grandioso, onde o caderno de encargos é oneroso, tornando impossível cobrir as despesas apenas com a taxa de inscrição”.
Veloso lembra que esta será a 25ª edição da Copa Promosom ao longo de 38 anos: “nesse período, o evento cresceu; hoje Varginha está inserida no calendário do ciclismo nacional, com pontuação máxima no ranking da Confederação Brasileira de Ciclismo”.
“Ressalto o apoio do Prefeito Antônio Silva e do Vice, Vérdi Lúcio Melo, que não mediram esforços desde 2013 para trazer à Varginha os melhores ciclistas do país”, acrescentou.
            A Copa Promosom 2015 terá disputas nas categorias Elite Masculino, Elite Feminino, Master A, Master B, Open Speed e Open MTB. As competições terão início as 9 horas, no circuito da Praça da Fonte. Mais informações no site copapromosom.com.br

quarta-feira, 25 de março de 2015

Recorde: polaco subiu 3.139 degraus de bicicleta

O polaco Krystian Herba subiu os 3.139 degraus de bicicleta em duas horas e 13 minutos, alcançando um novo recorde mundial. A  proeza foi levada a cabo na torre Tailpé 101, em Taiwan, um dos edifícios mais altos do mundo.
O último recorde, cerca de 200 degraus a menos, pertencia ao mesmo ciclista.

Grátis ou pagos, tours guiados de bike mostram pontos turísticos de SP

 em Brasil 25 de março de 2015 - 08:30:14

Há 17 anos parecia uma ideia impossível (para não dizer imprudente) oferecer um tour turístico a bordo de uma bicicleta para circular no trânsito caótico e violento de São Paulo. De lá para cá, o panorama da maior cidade brasileira não mudou muito, mas a ideia de ter roteiros temáticos sobre duas rodas persistiu na cabeça dos irmãos André e Daniel Moral.
Esses dois paulistanos são fundadores do Bike Tour SP, um projeto criado em 2013 que oferece passeios gratuitos acompanhados por monitores e com informações históricas e curiosidades de cada atração visitada – que podem ser ouvidas a partir de um sistema de áudio acoplado ao capacete dos ciclistas, conhecido como Audiotour.
E enquanto o trânsito segue inerte sobre quatro rodas, visitantes em bicicletas circulam sem pressa entre ícones paulistanos, como as construções centenárias do centro histórico da cidade e as ciclovias do Parque Ibirapuera e das avenidas Paulista e Faria Lima.
Com investimento inicial de apenas oito magrelas (incluindo as suas próprias bicicletas particulares), André e Daniel hoje já contam com mais de 50 bikes que são usadas nas quatro rotas em funcionamento e têm apoio da Prefeitura de São Paulo desde outubro de 2013. 
Arte UOL
Conheça um dos roteiros gratuitos do Bike Tour SP
O projeto, que funciona há quase dois anos, atualmente recebe 800 pessoas por mês, com idades que variam de 25 a 45 anos. As rotas mais procuradas são as que passam pela avenida Paulista (Casa das Rosas, Edifício Gazeta, MASP, Palacete Franco de Mello e Conjunto Nacional) e pelo centro histórico (Viaduto do Chá, Praça da Sé, Pátio do Colégio e o edifício Martinelli).
Com até 5 km de extensão e baixa variação de altitude, os roteiros circulares também incluem a avenida Faria Lima, com paradas no Museu da Casa Brasileira, no shopping Iguatemi e no Instituto Tomie Ohtake. 
Bike Tour SP/Divulgação
Além do pedal guiado de graça, os ciclistas ainda são recebidos com um serviço completo com informações das atrações, como exposições em cartaz, horários de visita e preços dos ingressos.
“São rotas sempre seguras, localizadas em parque, calçadões, ciclovias e ciclofaixas”, alerta André. Pessoas com necessidades especiais, como cadeirantes e deficientes visuais, contam com uma rota exclusiva para eles, na avenida Paulista. É uma espécie de trenzinho em que os participantes passeiam a bordo de três triciclos, conectados por uma bicicleta puxada por um dos voluntários que participam do projeto.
Outro roteiro disponível na cidade (mas pago) é o SP Ciclo Tour, realizado pela agência Infinity. O passeioque acontece aos domingos passa por endereços históricos da cidade, como o Palácio da Justiça, o Mosteiro São Bento e o Mercado Municipal, é costurado por curiosidades contadas pelos guias que acompanham grupos de até oito ciclistas. 
Arte UOL
Conheça o roteiro pelo centro da cidade da SP Ciclo Tour
Faça você mesmo
Você é do tipo independente e quer fazer seu próprio roteiro? Há opção de aluguel de bicicletas em diversos pontos espalhados pela cidade de São Paulo, cujos serviços são mantidos por instituições financeiras.
O Ciclo Sampa, por exemplo, tem 18 estações interligadas às ciclovias já existentes, nas regiões da avenida Paulista e das zonas sul e oeste de São Paulo. Patrocinadas pela Bradesco Seguros, as bicicletas desse projeto são equipadas com pneus que não furam e não possuem correia.
Já o Bike Sampa, do banco Itaú, abriga estações conectadas a uma central de operações via wireless, alimentadas por energia solar, que libera bicicletas para usuários previamente cadastrados, em diferentes pontos da cidade.
Com apenas 19 km de rotas exclusivas para ciclistas em 2006, São Paulo deve fechar 2014 com 200 km de ciclovias, segundo a Prefeitura. E você vai ficar aí parado em ponto morto no trânsito?
Entenda diferenças entre as vias exclusivas para bikes
  • Ciclovia
    Pista exclusiva e fixa para circulação de bicicletas, segregada fisicamente do restante da via.
  • Ciclofaixa
    Para uso exclusivo de ciclistas e sem divisão física entre a via e a faixa para bicicletas. Normalmente está localizada nas laterais da pista ou em calçadas e canteiros centrais
  • Ciclofaixa Operacional de Lazer
    São aquelas faixas junto ao canteiro central ou à esquerda de uma via que funcionam apenas aos domingos e feriados nacionais, entre às 7h e 16h. São separadas do tráfego normal por objetos físicos, como cones ou cavaletes.
Fonte: Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo
SERVIÇO
Bike Tour SP
Quando: As rotas no Parque Ibirapuera e na avenida Faria Lima acontecem aos sábados; na avenida Paulista e no centro histórico, aos domingos. Todas nos seguintes horários: 9h, 10h30, 12h, 13h30 e 15h. As rotas têm 1h15 de duração.
Custo: 2 kg de alimentos não perecível que são doados para o Núcleo Assistencial Bezerra de Menezes. O serviço inclui aluguel de bicicleta, colete e equipamento de segurança.
Roteiros: O sistema de áudio tem opções em português e em inglês. Os tours são gratuitos e devem ser agendados no site: 
www.biketoursp.com.br
SP Ciclo Tour
Quando: domingos, às 9h (chegar com 30 minutos de antecedência). Tem 3h30 de duração.
Custo: R$ 35 (inclui aluguel de bicicleta, guia, seguro e equipamento de segurança)
Onde: O ponto de encontro é na estação Sé do metrô, em frente ao bicicletário. 
www.infinity.tur.br
Ciclo Sampa
Quando: Diariamente, das 6h às 22h.
Custo: Os 30 minutos iniciais são gratuitos e é cobrado uma taxa de R$ 5 a cada meia hora excedida.
Onde: São 18 estações disponíveis para empréstimo de bicicleta.
www.ciclosampa.com.br
Bike Sampa
Quando: Diariamente, das 6h às 22h
Custo: A primeira hora de uso é gratuita e é cobrado o valor de R$ 5 por hora excedente. O Bilhete Único é aceito como forma de pagamento.
Onde: O projeto conta com 201 estações de aluguel de bicicletas.
www.mobilicidade.com.br
Fonte: Bol.com.br

terça-feira, 24 de março de 2015

Audi apresenta bicicleta totalmente fabricada em carbono

O emblema germânico refere que o seu design desportivo e experiência na criação de estruturas de baixo peso também já pode ser encontrado apenas com duas rodas na Audi Sport Racing Bike

22-03-2015 15:46:00
A Audi apresentou uma nova bicicleta, desenvolvida em parceria com a Carbon Sports, totalmente fabricada em carbono. Denominada Audi Sport Racing Bike, esta criação apresenta no seu quadro as cores do Concept Design Studio situado em Munique.

O quadro desta bicicleta pesa apenas 790 gramas, enquanto o conjunto total não ultrapassa 5,8 quilogramas. Para isso a Audi implementou no processo de fabrico a fibra de carbono “T1000”, a mesma que se encontra no Audi R18 e-tron quattro vencedor das últimas 24 Horas de Le Mans. A Audi Sports Racing Bike é uma edição limitada e numerada de cinquenta unidades, com um preço unitário de 17.500€. Caso esteja interessado em adquirir esta maravilha da tecnologia e da conceção em baixo-peso, o emblema de Ingolstad diz que as encomendas para esta bicicleta devem ser endereçadas ao departamento quatro GmbH.
fonte:http://turbo.sapo.pt/ultimas/artigo/audi-apresenta-bicicleta-total-12814.html

segunda-feira, 23 de março de 2015

Glow: A bicicleta sustentável


Bike4
Andar de bicicleta à noite, apesar de haver menos movimento na cidade, pode não ser seguro. A pensar na segurança dos ciclistas a empresa PureFix criou a linha Glow.
Nestas bicicletas foi usada uma tinta solar, que as faz brilhar no escuro e oferecem uma maior segurança para quem gosta de pedalar à noite. Para que a luz funcione, basta deixar a bicicleta ao sol durante o dia. Ao ficar exposta à luz solar por 1 hora, por exemplo, a tinta brilha, à noite, pelo mesmo período de tempo.
A linha conta com cinco modelos, que são iluminadas em diferentes partes.



Fonte: http://www.movenoticias.com/2015/03/glow-a-bicicleta-sustentavel/

Por mais bicicletas nas ruas, Paris e Madri proíbem carros no centro

 em 

Aluguel de bicicletas e incentivo ao uso do transporte público são as medidas adotadas pelas duas cidades

Enquanto pelas ruas da maior cidade do país, motoristas inveterados, ferrenhos defensores dos automóveis, bradam a plenos pulmões contra políticas alternativas de mobilidade urbana, capitais como Paris e Madri se tornam exemplos de um pensamento que privilegia, sobretudo, o meio ambiente. Desta forma, ambas livrarão as ruas do centro para dar lugar a boa e velha bicicleta.
Entre diversas medidas anunciadas recentemente, na Cidade Luz, a prefeita Anne Hidalgo anunciou que carros com placas ímpares poderão circular em dias ímpares, e carros com placas pares em dias pares. As restrições, entretanto, não valem para táxis, veículos híbridos e carros com mais de três pessoas.
Reprodução (Pinterest)
Reprodução (Pinterest)
Hoje, apenas 40% da população parisiense possui carro
Catraca Livre nas ruas de Paris
Diante da preocupação em relação à poluição do ar, esta foi a segunda proposta anunciada pela prefeitura parisiense na última semanal. Na última, quarta-feira, a velocidade dos veículos foi estabelecida a 20 km/h, além de oferecer transporte público gratuito para diminuir o número de carros nas ruas.
Já em Madri, será proibida a circulação de carros a partir desse mês em uma área de 352 hectares. Em caso de infração, será cobrado 90 euros.

A exemplo de Paris, as autoridades locais apostam em alternativas de transporte, como o Sistema BiciMad, com aluguel de bicicletas e o incentivo ao uso do transporte público.
https://catracalivre.com.br/geral/mobilidade/indicacao/por-mais-bicicletas-nas-ruas-paris-e-madri-proibem-carros-no-centro/

sábado, 21 de março de 2015

5º Passeio de Mountain Bike Lapa Bike Beneficente

 

Informativo 02 
Pedalar é Qualidade de vida e prevenção as Drogas.
Dia: 22 de Março de 2015
Saída: 8hs, tolerância de 15 minutos.
Local: São José da Lapa MG 
Concentração: Praça da Igreja Matriz Centro 
Trajeto: 18 km
Nível: Passeio


Mapa Como Chegar: 
Informações Importantes:
É um passeio não é competição, nível passeio.
Não será permitido nenhum ciclista sem capacete.
Será servido água e isotonio somente depois do passeio em copos de 200 ml.
Preserve a natureza, carregue com você o seu próprio lixo.
Trajeto: Trilhas ao redor São José da Lapa. Teremos monitores do Grupo Lapa Bike orientando a todos durante o trajeto.
Cada um é responsável por sua água e alimentação.
Informações:
Email: lapabike@hotmail.com
WhatsApp: 31 9122 9503 Tim
Site: www.lapabike.com.br

Bike Tour Vassouras 2015

Vassouras recebe evento de Mountain Bike

Dia 26 de abril a cidade de Vassouras, RJ, conhecida pelos seus casarios da época do ciclo do café, recebe pela sexta vez o Bike Tour, evento esportivo de Mountain Bike Maratona (XCM) com 44km de extensão, que conta com apoio da Federação de Ciclismo do Estado do Rio de Janeiro (FECIERJ) e é voltado a esportistas profissionais e amadores. Haverá premiação de 3 mil reais no total aos primeiros colocados de cada uma das dez categorias principais, troféu para os cinco primeiros de cada uma das 20 categorias e medalhas para todos que completarem a prova.

A competição apresenta um percurso diferente esse ano, ao gosto dos participantes da prova, que procuram por caminhos geralmente inusitados e perto da natureza. Os atletas poderão se aventurar pela Mata Atlântica e se deparar com algumas construções históricas, como as fazendas colonias, construídas no séc XIX.  O clima ameno da região do Vale do Café é outro atrativo do circuito.

A prova tem crescido em popularidade e a expectativa é bater o recorde de 400 inscritos nessa edição. A razão disso é que o Bike Tour, além de uma competição, é uma opção de atividade de lazer saudável, que incentiva a atividade física e possibilita o contato com belezas naturais, além de propiciar interação com pessoas que tem os mesmos interesses.


A largada acontecerá no centro, na Praça Barão de Campo Belo, localizada no centro histórico a cidade, com extenso jardim e área livre para atividades. Para melhor receber os atletas, alguns hotéis vão disponibilizar espaço para a acomodação das bicicletas e late check-out, de acordo com o término da prova. A cidade oferece pontos turísticos para visitação como a Casa da Hera, onde morava Eufrásia Teixeira Leite, e hoje tornou-se um museu e a antiga Estação de Trem, também no centro, que podem ser opções de passeio pelos que aguardam a prova.

Serviço:
Vassouras Bike Tour
Dia: Domingo, 26/04/2015
Hora: Retirada do Kit entre 7:00 e 09:00 /Largada às 09:30
Local: Praça Barão de Campo Belo, Centro, Vassouras, RJ

Valor Inscrição: R$ 70,00 até 31/03; R$ 90,00 até 21/04; R$ 110,00 na hora

25ª Copa Promosom / Varginha

Jornal PODIUM
NOVOS CONTATOS: 3015.4422 e 8838.4289

sexta-feira, 20 de março de 2015

ALEMANHA DE BIKE. PEDALAR E CONHECER A HISTÓRIA

:
Duramente bombardeadas na Segunda Guerra, Berlim, Potsdam e Dresden ainda agora estão sendo reconstruídas. Vibrantes, as três cidades alemãs são planas e escondem inúmeros tesouros históricos e culturais. Vale a pena desvendá-los de bike, numa aventura inesquecível
Por: Fabíola Musarra

Gosta de pedalar? O que acha de conhecer as cidades alemãs de Berlim, Potsdam e Dresden de bike? Maior cidade da Alemanha, Berlim cativa não só pelas atrações que abriga, mas também por sua fascinante história. Conhecê-la a bordo de uma bike é, sem dúvida, uma experiência única. Ainda mais nessa época do ano, quando o clima é agradável e suas sedutoras paisagens ficam ainda mais bonitas.
A metrópole é praticamente plana, o que facilita as pedaladas. Sem contar que as ciclovias em suas ruas mais importantes conduzem aos principais pontos turísticos da cidade. Se ficou interessado, uma dica: a Butterfield & Robinson disponibiliza um roteiro de bike para brasileiros. Com saídas de 15 a 20 de junho, ele começa na pulsante Berlim, de onde segue para Potsdam, Patrimônio Mundial da Unesco, e termina em Dresden.

A Porta de Brandenburgo, um dos símbolos de Berlim
A Porta de Brandenburgo, um dos símbolos de Berlim

Em Berlim – O Portão de Brandemburgo é o ponto de partida da viagem. Reconstruída no final do século 18 como um arco do triunfo neoclássico, a porta dava acesso à cidade séculos atrás, quando Berlim ainda era bem pequena e circundada por muro. Hoje, é o seu mais famoso cartão-postal.
O importante marco da capital fica na Pariser Platz, no bairro central Mitte. É dessa praça que você vai pedalar até Checkpoint Charlie, um antigo posto militar na fronteira entre Berlim Oriental e Ocidental. Durante a Guerra Fria, quando a cidade era dividida por um muro, o posto era usado só por membros das Forças Aliadas e diplomatas.

Grupo de ciclistas passeiam diante de trecho do Muro de Berlim
Grupo de ciclistas passeiam diante de trecho do Muro de Berlim

Atualmente, é um dos locais mais visitados pelos turistas. Afinal, quem não quer tirar uma foto ao lado da placa ali existente informando “You are leaving the American sector”?

Checkpoint Charlie, uma das portas entre Berlim Oriental e Berlim Ocidental, ainda está lá
Checkpoint Charlie, uma das portas entre Berlim Oriental e Berlim Ocidental, ainda está lá

Do posto, você e sua bike seguem até a Potsdamer Platz, importante ponto de interseção de tráfego no centro de Berlim, distante cerca de um quilômetro ao sul do Portão de BrandemburgoCom prédios modernos, a praça foi alvo de muitos bombardeios durante a Segunda Guerra. Reconstruída, agora é um vibrante centro de lazer, com salas de cinema, restaurantes e bares.
Como está a poucos quarteirões do Memorial do Holocausto, tente visitar esse lugar histórico. Inaugurado em 2005, é integrado por blocos de concreto cinza escuro e  de alturas variadas, distribuídos em fileiras paralelas. No subterrâneo há a sala chamada “Local da Informação”, onde uma exposição retrata a perseguição e o extermínio dos judeus.

O imenso Memorial do Holocausto, em Berlim
O imenso Memorial do Holocausto, em Berlim

Seu próximo destino é o Reichstag, a sede do Parlamento Federal alemão. Com dimensões monumentais, o prédio tem muita história para contar: foi de uma de suas janelas que, em 1918, o político Philipp Scheidemann proclamou a República na Alemanha. Em 1933, um incêndio em seu interior serviu de pretexto aos nazistas para iniciar a perseguição aos seus oponentes.
Seguindo pela Unter den Linden, você agora vai conhecer a Ilha dos Museus. No trajeto, repare que ao longo desta avenida que se estende da Pariser Platz até a Ponte Schlossbrücke encontram-se várias atrações, como a Ópera de Berlim, a Universidade Humboldt e os Kronprinzenpalais e Prinzessinnenpalais, respectivamente os palácios do Príncipe Herdeiro e da Princesa.
Ainda nesta avenida fica o Neue Wache, um prédio em estilo neoclássico onde funciona o Memorial Central da República Federal da Alemanha para as Vítimas da Guerra e da Tirania, e o prédio Zeughaus, que abriga o Museu Histórico Alemão.

A Schlossbrucke, ponte histórica em Berlim
A Schlossbrucke, ponte histórica em Berlim

Após a  Ponte Schlossbrücke, você dá de cara com a  Ilha dos Museus. Patrimônio Mundial da Unesco, o majestoso complexo é integrado pela Catedral de Berlim, em frente à Praça Lustgarten, além de cinco museus: o Antigo, o Novo, o Pergamon, a Galeria Nacional Antiga e o Bode.
À tarde, você embora de Berlim. Por isso, dê um jeito de fugir do grupo e vá conhecer outros concorridos points da cidade, como a Gendarmenmarkt, uma praça no centro onde ficam a Casa de Concertos e as catedrais Francesa e Alemã. Ao redor dela espalham-se muitas lojas e restaurantes, onde você pode almoçar e fazer compras.
Dê uma esticada até o Muro de Berlim. Programa obrigatório, ele ainda agora, quando mais de 25 anos já se passaram desde a sua queda, fascina as pessoas. Em alguns pontos da cidade, é possível ver trechos da extinta construção, como em East Side Gallery (entre a Ostbahnhof e a Ponte Oberbaumbrücke), onde pinturas de artistas do mundo todo revelam acontecimentos políticos ligados ao muro. 

Igreja de são Nicolau, em Potsdam
Igreja de são Nicolau, em Potsdam

Potsdam – Depois do almoço, você vai pedalar rumo a Grunewald, um emaranhado de floresta verde-escura, lagos e parques, com destino a Potsdam, onde vai passar os dois próximos dias. Rica em história e cultura, a cidade foi há três séculos a residência da Prússia, uma das mais suntuosas da Europa.
Os reis prussianos, especialmente Friedrich Wilhelm I e seu filho Friedrich II, ergueram diversas construções na cidade e ao seu redor, transformando-a num sonho barroco. Seus sucessores complementaram a paisagem com monumentos do classicismo.
Todo esse conjunto de Potsdam foi declarado Patrimônio da Unesco em 1990. Inicialmente integrado pelos os Jardins de Sanssouci, Neuer Garten, Babelsberg, Glienicke e a Ilha Pfaueninsel com seus castelos, foi ampliado em 1992, com a incorporação do castelo e parque de Sacrow e da Igreja Heilandskirche. 
Jardins do Palácio, em Potsdam
Jardins do Palácio, em Potsdam

Em 1999, a lista ganhou mais 14 monumentos, entre eles o castelo e parque de Lindstedt, a Colônia Russa Alexandrowka, o belvedere sobre a colina de Pfingstberg, a Estação Kaiserbahnhof e o observatório no Parque Babelsberger. Hoje, o patrimônio mundial abrange cerca de 500 hectares de parques e inclui 150 edificações do período entre 1730 e 1916.
Em sua estadia em Potsdam, você vai visitar alguns deles, como o palácio e os jardins do Palácio Sanssouci, a antiga residência de Frederico II, um refúgio onde o rei podia aprofundar seus conhecimentos em filosofia e artes sem as pressões da monarquia.
Depois do palácio, você sua bike prosseguem por caminhos planos do majestoso parque e seus pavilhões. O almoço é na Fazenda Meierei, no parque Neuer Garten, onde deliciosas cervejas são produzidas.

O simpático Kongresshotel, em Potsdam
O simpático Kongresshotel, em Potsdam

A viagem segue pelo interior da floresta até o hotel, com tempo para relaxar antes de seguir pedalando rumo ao centro de Potsdam. Como o tempo é curto, procure explorar o lugar o máximo possível. Comece a caminhada na Alter Markt. Ali, no antigo estábulo Kutschstall, hoje funciona a Casa da História de Brandemburgo e Prússia. A praça vizinha, Luisenplatz, liga a barroca Rua Brandenburger Straße ao bulevar que leva à entrada do Parque Sanssouci.
No centro da Marktplatz há um obelisco de 16 m de altura com retratos de grandes arquitetos de Potsdam. Atrás dessa praça fica o Neuer Markt, o novo mercado. Construída nos séculos 17 e 18, é uma das praças barrocas mais bem conservadas da Europa.
O centro antigo de Potsdam também acolhe três antigas e lindas portas: a de Brandemburgo, a Jägertor e a Nauener Tor. É através desta última que você chega ao Holländisches Viertel, o charmoso bairro dos holandeses, com seus caprichados pátios internos, cafés, bares e galerias de arte.
Se a sua agenda permitir, embarque em um dos antigos barcos a vapor da Weiße Flotte (a rota Branca). Ali são oferecidos diversos passeios, desde cruzar as águas da cidade até o que conduz a Glienicker Brücke, a ponte que liga Potsdam a Berlim e sobre a qual era feita a troca de espiões e agentes secretos entre o lado ocidental e o lado oriental até os anos de 1980.
 Os bike-bars, com cerveja, refrigerqnte e snacks, fazem ponto ao longo dos roteiros dos ciclistas
Os bike-bars, com cerveja, refrigerqnte e snacks, fazem ponto ao longo dos roteiros dos ciclistas

Também não deixe de conhecer Babelsberg, uma das mais antigas metrópoles cinematográficas da Europa – ali foram produzidos mais de três mil filmes para o cinema e a televisão. Entre março e outubro, o local abre suas portas aos turistas.
Pela manhã, você segue em direção à borda ocidental da Floresta Spree. As incessantes mudanças da paisagem vão se revezar no trajeto até revelar um campo pontilhado por bosques e pequenos rios prateados, um local perfeito para um piquenique.
Na hora de voltar a Potsdam, você tem duas opções: pedalar pelo caminho mais longo percorrendo a reserva Spreewald, ou seguir pela rota mais curta, indo direto para o hotel, com tempo livre para desfrutar do SPA ou passear pelas ruas de Potsdam. Lembre-se que elas guardam inúmeros tesouros.

O castelo Albrechtsburg
O castelo Albrechtsburg

Saxônia – É chegada a hora de se despedir da bucólica Potsdam. A saída em direção ao sudoeste tem como destino o Vale do Elba, na Saxônia, tradicional região produtora de vinhos. Tem, inclusive, uma rota turística privilegiando seus bonitos vinhedos.
O percurso sob duas rodas é feito em uma ciclovia plana que se estende ao longo das margens do Rio Elba, com parada em Meissen, onde o Castelo Albrechtsburg impera soberano.
Pode acreditar, essa construção de estilo gótico merece a visita. Além da visão panorâmica que proporciona do Elba, é considerado o primeiro castelo construído no país e abriga museus e coleções, como a de porcelana.
Berço da Saxônia, a cidade de belíssima arquitetura é repleta de encantos, como a catedral gótica de Meissen, de torres desiguais: as ocidentais só foram concluídas entre 1904 e 1908. Já a torre oriental data dos séculos 14 e 15. 

Uma schack, casa de campo típica da Saxônia, toda feita em madeira
Uma schack, casa de campo típica da Saxônia, toda feita em madeira

Ao circular pela cidade, repare também no conjunto de sinos de porcelana na torre da igreja gótica Frauenkirche, cujo som encanta a todos desde 1929. Já na Igreja Nikolaikirche encontram-se as maiores figuras produzidas em porcelana de Meissen.
Não é à toa que você vai ouvir falar muito dessas delicadas peças por aqui – a cidade é sede da fábrica que é internacionalmente famosa pela produção da porcelana Meissen.

Área do centro histórico de Dresden
Área do centro histórico de Dresden

Dresden – Capital da Saxônia, Dresden é a parada seguinte. Em uma ciclovia plana, você vai pedalar pelo coração dessa graciosa cidade da Alemanha, agora reconstruída dos tempos de guerra.
A maioria de seus monumentos foi erguida nos séculos 17 e 18, pelo príncipe Augusto, o Forte, como o Palácio Zwinger e as igrejas de Frauenkirche e Hofkirche. Durante a Segunda Guerra, muitos deles formam danificados – alguns foram reerguidos, outros sumiram para sempre.
Desde a reunificação alemã, Dresden é intensamente reconstruída, restaurada e transformada. Efervescente, abriga a Ópera Semper, diversas as galerias de arte e museus – o da Abóbada Verde e o histórico Deutsches Hygienemuseum são alguns deles.
À noite, os fervilhantes barzinhos do bairro Neustadt, na cidade nova, são invadidos por dezenas de universitários. Já o centro antigo da cidade é palco de festivais de cinema, dança e música, atraindo pessoas de diferentes nacionalidades.

Encontro com cervo selvagem em estrada na Saxônia
Encontro com cervo selvagem em estrada na Saxônia 
Apesar de ainda estar sendo reconstruída, Dresden faz jus ao título de Florença do Elba, pelo grande conjunto de belezas artísticas e naturais que concentra. Seus floridos parques são um convite para as caminhadas, enquanto as ciclovias ao longo do Rio Elba também servem de palco para corridas e para a prática de skate.
Ainda em Dresden, você e sua bike vão partir do centro da cidade, seguindo o caminho para Elba ao longo o rio. Se preferir, pode ir pela a Suíça da Saxônia, a Sächsische Schweiz, uma extensa reserva natural que se estende até a fronteira tcheca. 
Uma das muitas cervejarias na rota das bicicletas, nas cercanias de Dresden
Uma das muitas cervejarias na rota das bicicletas, nas cercanias de Dresden
 Como companhia terá fascinantes paisagens ora tingidas por pitorescas formações rochosas de arenito, penhascos e cavernas, ora por ravinas profundas. O passeio segue ao longo da costa, onde acontece uma travessia de balsa. No retorno a Dresden, a aventura é coroada com um jantar de despedida.
Depois de seis dias, o sonho chega ao fim. Se não tiver de fazer o check-out no hotel, aproveite para explorar mais a burburante Dresden. Auf Wiedersehen!
http://www.brasil247.com/pt/247/revista_oasis/173586/Alemanha-de-bike-Pedalar-e-conhecer-a-hist%C3%B3ria.htm